sábado, 9 de dezembro de 2017

Prêmio Alceu Amoroso Lima de Direitos Humanos será entregue na próxima terça-feira

O Coordenador Nacional da Pastoral Carcerária da CNBB, Padre Valdir João Silveira, que pertence ao clero da Arquidiocese de São Paulo, foi o vencedor do Prêmio Alceu Amoroso Lima de Direitos Humanos 2017.  Natural da cidade de Antônio Carlos, em Santa Catarina, padre Valdir ordenou-se aos 36 anos e vivencia a cada dia o lema de sua ordenação presbiteral: “Enviou-me para libertar os oprimidos”.
Padre Valdir é também o representante da ICCPPC - Comissão Mundial de Pastoral Penitenciária Católica na América Latina
Receberão Menção Honrosa padre Paolo Parise e irmã Rosita Milesi.
Padre Paolo faz parte da Missão da Paz, pertencente aos missionários Scalabrinianos, que atua em favor dos imigrantes e refugiados desde os anos 30 do século passado. Ao longo de sua história, a Missão da Paz, acolheu grande número de italianos, vietnamitas, coreanos, chilenos, bolivianos, paraguaios, peruanos, congoleses, angolanos, nigerianos, colombianos, haitianos, venezuelanos, entre tantos outros. Atualmente, atende a mais de 70 nacionalidades. Entre 2010 e 2017, vinte e um mil haitianos foram acolhidos ou ajudados de várias formas pela Missão.
Coordenadora da Pastoral dos Refugiados da CNBB - Missionária de São Carlos Borromeo – Congregação das Irmãs Scalabrinianas, irmã Rosita é advogada e foi por muitos anos a responsável pela SCAI – Serviço de Cooperação Apostólica Internacional, um dos organismos da CNBB. Participou ativamente da elaboração da nova lei migratória brasileira e, neste momento, dedica especial atenção à situação em, Roraima, epicentro da crise de migrantes vindos da Venezuela, por ser a porta de entrada para o Brasil para quem vem daquele país
Receberão homenagem Post Morten o Irmão Antônio Cecchin e o professor Marco Aurélio Garcia.
Irmão Antônio Cecchin nasceu na cidade de Santa Maria – RS e, aos 16 anos, tornou-se Irmão Marista. Formado em Letras Clássicas e em Direito pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, foi também professor e diretor em colégios da Congregação Marista. Estudou Catequese e Economia em Paris e trabalhou em Roma na Sagrada Congregação dos Ritos, que cuidava da Liturgia e da causa dos santos. Foi o primeiro coordenador do setor de Catequese da CNBB Sul, que abrangia Santa Catarina e Rio Grande do Sul.  Militante dos movimentos sociais é fundador da Comissão Pastoral da Terra - RS, Pastoral da Ecologia e da ONG Caminho das Águas.
Marco Aurélio Garcia foi o pensador responsável pelas posições do PT em política externa, personalidade generosa que ouvia argumentos e ajudava sempre nas boas causas.
Durante a solenidade será lançado o livro póstumo "Irmão Antônio Cecchin - ...seguindo o caminho em busca da Terra Sem Males".  O Prêmio será entregue dia 12 de dezembro, às 18:00 horas , na Universidade Cândido Mendes (Rua da Assembleia, 10 – 42º Andar – Centro). A entrada é franca.
O PRÊMIO
Criado pela Universidade Candido Mendes/UCAM e o Centro Alceu Amoroso Lima para a Liberdade/CAALL o Prêmio, foi instituído em 1983, ano do falecimento de Dr. Alceu.
Já foram agraciados com o Prêmio Alceu Amoroso Lima de Direitos Humanos
1983 – Paulo Sérgio Pinheiro.Leia mais 

terça-feira, 24 de janeiro de 2017

intolerância religiosa no brasil nos ultimos dez anos

O Brasil teve 697 denúncias de intolerância religiosa entre 2011 e 2016, segundo dados da Secretaria Especial de Direitos Humanos compilados em relatório lançado na semana passada (19) na capital fluminense. O estado do Rio de Janeiro lidera o ranking com maior número de denúncias de casos de discriminação, que têm como principal alvo as religiões afro-brasileiras.
Caminhada em defesa da liberdade religiosa e contra a intolerância realizada em Copacabana, no Rio de Janeiro, em 2014. Foto: EBC
Caminhada em defesa da liberdade religiosa e contra a intolerância realizada em Copacabana, no Rio de Janeiro, em 2014. Foto: EBC
O Brasil teve 697 denúncias de intolerância religiosa entre 2011 e 2015, segundo dados da Secretaria Especial de Direitos Humanos compilados em relatório lançado na semana passada (19) na capital fluminense. O estado do Rio de Janeiro lidera o ranking com maior número de denúncias de casos de discriminação, que têm como principal alvo as religiões afro-brasileiras. Lançado na Associação Brasileira de Imprensa (ABI), o relatório é fruto de uma parceria entre Comissão de Combate à Intolerância Religiosa (CCIR), Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (CEAP) e Laboratório de História das Experiências Religiosas (LHER) do Instituto de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).
Enquanto em 2014 o número de denúncias de intolerância religiosa havia se reduzido frente a 2013 — de 201 casos para 149 — esse volume voltou a subir em 2015, quando foram registradas 223 denúncias, apontou o relatório feito com base no Disque 100. O Rio de Janeiro teve o maior número de casos (32), seguido por Minas Gerais (29) e São Paulo (27).
“Os estudos indicam que o processo de registro das ocorrências e o processo de resolução dos casos são longos, considerando a série de dificuldades na interpretação da legislação pertinente”, disse o documento. “Fica a sensação de que não adianta registrar o boletim de ocorrência, primeiro passo para iniciar o processo”.
Rio de Janeiro
Os números do Centro de Promoção da Liberdade Religiosa & Direitos Humanos (CEPLIR) referentes ao estado do Rio de Janeiro são ainda mais alarmantes. Segundo o órgão, houve um total de 1.014 atendimentos referentes a denúncias de intolerância religiosa entre julho de 2012 e setembro de 2015. Desse total, 71,15% tinham como alvo as religiões afro-brasileiras, mais afetadas por esse tipo de discriminação.
O CEPLIR aponta que somente entre setembro e dezembro de 2015 houve 66 atendimentos. Desse total 32% das denúncias referiam-se a discriminação contra muçulmanos e 30% contra candomblecistas.
“Dados estes que nos revelam que a grande maioria dos casos de intolerância religiosa são relacionados aos adeptos das religiões e religiosidades afro-brasileira”, disse o documento; Como o caso do conhecido congoles da Republica democratica do Congo, WEMBO LUNGANGA, no rio de janeiro, que foi obrigado a fugir do pais para se proteger da morte.“ 
Esse significativo aumento de registro por parte dos mulçumanos pode estar associado a ocorrência de fatos internacionais ligados as ações do Estado Islâmico, o que no Brasil acabou por resultar em práticas e ações contra a comunidade islâmica ”, completou o relatório. 

Veja essas materias

--> Em português,
http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/este-gigante-da-natureza-esta-a-um-passo-da-extincao

-->Em francês
http://www.radiookapi.net/2016/09/05/actualite/environnement/le-plus-grand-gorille-du-monde-un-pas-de-lextinction-en-rdc

Dia de Combate à Intolerância Religiosa é celebrado neste sábado (21)

Divulgação/Prefeitura de Arari (MA)Vítimas de intolerância registrada são, em sua maioria, praticantes de religiões de matriz africana
Vítimas de intolerância registrada são, em sua maioria, praticantes de religiões de matriz africana
O Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, celebrado em 21 de janeiro, foi instituído em 2007 pela Lei nº 11.635. A data rememora o dia do falecimento da Iyalorixá Mãe Gilda, do terreiro Axé Abassá de Ogum (BA), vítima de intolerância por ser praticante de religião de matriz africana.
A sacerdotisa foi acusada de charlatanismo, sua casa atacada e pessoas da comunidade foram agredidas. Ela faleceu no dia 21 de janeiro de 2000, vítima de infarto.
Apenas em 2016, a ouvidoria da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir) recebeu cerca de 64 denúncias de intolerância religiosa. Em 2015, foram 61 casos. Em 2014, 24 registros. No ano 2013, 49 ocorrências. E em 2012, foram 27. 
Denúncias
A Ouvidoria Nacional da Igualdade Racial pode ser acionada pelo e-mail ouvidoria@seppir.gov.br e telefone (61) 2025-7000.

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

Veja essas materias

--> Em português,
http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/este-gigante-da-natureza-esta-a-um-passo-da-extincao

-->Em francês
http://www.radiookapi.net/2016/09/05/actualite/environnement/le-plus-grand-gorille-du-monde-un-pas-de-lextinction-en-rdc




sexta-feira, 8 de julho de 2016

Uma França de Igualdade de chance, é uma frança footbalistica?

De 1998 até o presente. Ele c França, que compreenderam a importância ea necessidade de uma prática de oportunidades de igualdade desinibida raça, etnia, c ... que a França e na Europa que queremos de mena. E não uma parte selecionada de medidas hipócritas.
Isto deve empurrar outros países europeus, organizações e nações corporativos e outros europeus para abordar de forma diferente da Igualdade de Oportunidades.
Futebol ao vivo, a VIVE FRANCE. #SOMOSFRANÇA,  #EURO2016, #Viva futebol.
------------------
De 1998 à nos jours. Ça c la France qui a compris l'importance et la necessité d'une pratique d'Équalité des chances sans tabou, race, ethnie,...ça c la france et l'Europe que nous voulons à partir de mena. Et non une portion selectionnée des mesures hypocrites.
Cela doit pousser les autres nations européennes, organisations et corporatives européenne et d'autres nations d'aborder differement l'Égalité des chances.
ViVre le football, VIVE La FRANCE. JE SUIS FRANCE, vive le football.

terça-feira, 17 de maio de 2016

Ruanda: a primeira estação de poder de metano inaugurada no Lago Kivu - UM PASSO EM FRENTE AO SEU VIZINHO, REPUBLICA DEMOCRATIC DO CONGO COM QUEM DIVIDE ESSA RIQUESA DO LARGO KIVU


Rwanda inaugurou oficialmente esta segunda-feira, maio 16 KivuWatt centro de os EUA empresa ContourGlobal, que começou a produzir 26 MW de energia elétrica a partir do metano no Lago Kivu, na fronteira entre o Ruanda ea República Democrática do Congo . Lago Kivu é o único mundo em que a concentração de gás é grande o suficiente para ser explorada comercialmente. O projeto é uma instalação única no mundo que se transforma um potencial ameaça mortal em uma fonte de energia e deve, finalmente, aumentar mais de 60% da capacidade de geração de eletricidade do país.

KivuWatt O projeto é baseado em uma usina, às margens do Lago Kivu em Kibuye, uma pequena cidade no Ruanda ocidental e em uma plataforma flutuante no lago a 13 km da costa. Esta bomba plataforma de mais de 300 metros de profundidade de água a concentração de gás de metano e dióxido de carbono. O metano é então isolado e encaminhado para a planta, que, em seguida, converte-la em energia eléctrica.
A planta produz desde o final de dezembro de 26 megawatts foi inaugurado na segunda-feira na presença do presidente de Ruanda, Paul Kagame.
Sete anos de esforço foi necessário para o projeto. E US $ 200 milhões do capital privado, mas também empréstimos de instituições internacionais de ajuda oficial ao desenvolvimento, incluindo o Banco Africano de Desenvolvimento (BAD). ContourGlobal agora pretende construir pelo menos mais duas plataformas para aumentar a capacidade da planta para 100 MW.
Além do Bonanza económica, bombeando metano também ajuda a longo prazo para diminuir a concentração de gás lago e, assim, evitar um potencial de acordo com especialistas súbito aumento da superfície de uma grande quantidade de CO2 e metano. Um desastre que poderia pôr em perigo a vida de cerca de dois milhões de moradores do Lago Kivu.
postado pela RFI